Postado em mai 1, 2013 em Blog Livre Mente, Infância e Adolescência | 2 comentários

Autismo Infantil

Autismo Infantil — Ilustração por Lucas Tonelli

Há alguns dias uma mãe me procurou porque não estava mais suportando um sentimento muito forte de frustração, acompanhado de desmotivação geral, vontade incontrolável de chorar; resumindo, um quadro clínico sugestivo de Transtorno Depressivo. O motivo relatado era o fato de seu filho de 2 anos não se comportar como as outras crianças da mesma faixa etária.

Em seu relato, ela diz que começou a notar algo diferente logo nos primeiros meses. Ao amamentar, ele jamais a olhava, parecendo estar totalmente distante. Não reagia aos carinhos e só sorria de maneira espontânea e, mesmo assim, raramente. Ainda não aprendeu a andar e fala pouquíssimas palavras soltas, quando quer. Quando contrariado, reage aos berros e demora a parar. Às vezes, permanece parado por longo tempo, fazendo movimentos repetitivos com os dedos e balançando o corpo para a frente e para trás.

O que esta mãe descreve é um quadro típico de

Autismo Infantil (Transtorno Autista),

descrito pela primeira vez pelo médico austríaco Leo Kanner, em 1943. É um distúrbio do desenvolvimento neuropsicomotor que leva a alterações do comportamento desde muito cedo, antes dos 3 anos de idade.

As características principais do autismo infantil, mas não exclusivas, são:

a) atraso importante no desenvolvimento das habilidades esperadas para cada idade

Diferente do esperado segundo o “Cartão do Bebê”, que traz um quadro descritivo do desenvolvimento normal;

b) alteração nas interações sociais

A criança não se relaciona com as outras pessoas e tem dificuldade para aceitar contato físico. Dificuldade significativa na comunicação, apresentando demora no aprendizado da fala, comunica-se quando quer e geralmente por gestos, dá birra quando contrariado e

c) interesse focalizado em uma determinada atividade e movimentos estereotipados

Movimentos repetitivos e sem propósito.

Além disso, geralmente apresenta outras características como:

Fobias

 Medos sem uma causa determinada

Autoagressividade

Fere a si mesma

Agressividade brusca contra algo em que antes estava altamente interessada

Por exemplo: estava a um grande tempo entretida com um brinquedo e, de repente, começa a gritar e agredir o brinquedo, destruindo-o

Perturbação do sono

Sono muito agitado e com despertares noturnos frequentes

Perturbações da alimentação

Como diminuição do apetite, alimentar-se somente quando quer, comer coisas como terra, plantas ornamentais, papel.

Essa criança merece uma atenção especial. O primeiro passo a ser dado pelos pais e demais cuidadores é conhecer o assunto. Eu sugiro o texto brilhante de Ana Maria S. Ros de Mello (“Autismo — Guia Prático” – 7a. edição) e também o site da Associação de Amigos do Autista — AMA. Lá você encontrará a definição do transtorno, suas características, escalas para ajudarem no diagnóstico e formas de tratamento (veja os links no final do texto).

Ainda temos que aprender muito sobre o Autismo. A grande notícia é que hoje já podemos ajudar e fazer bastante pela criança autista e sua família. Converse com outros pais de autistas que já tenham superado problemas que você está vivenciando. Procure um psiquiatra com experiência em Psiquiatria Infantil.

Tendo dúvidas, pergunte. Eu tentarei, na medida do possível, respondê-las.

Link externos: