Postado em abr 24, 2010 em Blog Livre Mente, Medicina Tradicional Chinesa, Mente e Corpo | 6 comentários

A Acupuntura e a Moxabustão

são técnicas de tratamento milenares desenvolvidas e utilizadas na China e de lá se disseminaram por todo o mundo. Na Europa, começaram a ser usadas desde o Renascimento, quando textos chineses foram traduzidos por missionários Jesuítas. A OMS reconhece a Acupuntura como especialidade médica desde a década de 1970 e, no Brasil também é reconhecida como tal pela AMB – Associação Médica Brasileira.

A Acupuntura usa agulhas apropriadas que são aplicadas em determinados pontos do corpo, de acordo com a Teoria dos Meridianos e Colaterais. Já a Moxabustão se vale da aplicação do calor proveniente da queima de bastão ou cones de artemísia (uma planta) sobre os mesmo pontos, assim procurando harmonizar o fluxo da Energia Vital (“Qi” – pronuncia-se: “tchi”).

As funções mentais

são um reflexo da interação entre os órgãos e vísceras, entre si e com o meio externo, funcionando como uma rede organizacional harmônica. A disfunção em qualquer elemento desta rede exercerá uma influência negativa que poderá se expressar como um transtorno mental.

Fatores externos, como: vento, frio, calor, umidade, secura e fogo (de acordo com os conceitos da Medicina Tradicional Chinesa) , bem como fatores emocionais: alegria, ira, ansiedade, meditação, tristeza, medo e terror, quando em excesso ou em deficiência, causam desarmonia e, se os mecanismos de defesa próprios do organismo não conseguirem recuperar o equilíbrio, levarão o indivíduo a apresentar distúrbios físicos e/ou mentais.

O foco principal das técnicas terapêuticas chinesas é o restabelecimento do equilíbrio do organismo, tanto internamente quanto nos aspectos relativos às relações interpessoais e com o meio ambiente. Isso tudo coincide com o ponto de vista científico moderno da Psiconeuroimunoendocrinologia (“Teoria do Estresse” – vide texto sobre Estresse e Saúde).

Os pontos utilizados no tratamento

são selecionados de acordo com: a “Teoria dos Meridianos e Colaterais”, a “Teoria dos Cinco Movimentos” (ou “Elementos”) e a “Teoria dos Órgãos e Vísceras” (“Zang Fu”) e a escolha se baseia na análise dos sinais e sintomas apresentados pelo paciente.

Bom lembrar que, assim como na Medicina Ocidental os pacientes reagem de maneira individualizada ao tratamento medicamentoso, também a resposta ao tratamento por acupuntura e moxabustão varia de uma pessoa para outra. Existem pessoas que respondem rapidamente e outras que não o fazem. Assim, o importante é uma avaliação criteriosa por um profissional devidamente capacitado para que a associação de métodos terapêuticos (psicofármacos, psicoterapia, acupuntura e moxabustão) e uma mudança no estilo de vida contribua para a melhora dos transtornos mentais e para o retorno do indivíduo a um funcionamento equilibrado, o mais rapidamente possível.